SEGUIDORES

OBRIGADA POR SEGUIREM ESTE BLOG

domingo, 15 de maio de 2016

LIVRANDO-SE DAS DÍVIDAS





8.  Livrando-se das Dívidas


Antes de uma pessoa tentar sair das dívidas, ela precisa se convencer de que estas são perniciosas, devoradoras, e que podem facilmente fugir ao controle. Sair das dívidas é uma caminhada única, cada pessoa tem que realizar a sua, o trabalho é árduo, o fim da caminhada, porém lhe reserva um grande prêmio, você totalmente livre das dívidas. Existem alguns passos que se seguidos, nos darão a vitória sobre a maldição das dívidas.

Orar

O primeiro passo é o mais importante. Orar, pedir a ajuda e a direção do Senhor em nossa jornada rumo ao fim das dívidas. Deus é tanto previsível quanto imprevisível, é totalmente previsível em sua fidelidade para prover nossas necessidades. Mas o que não podemos prever é a forma como o Senhor fará isso. Ele usa meios variados e, às vezes, surpreendentes para ir ao encontro de nossas necessidades. Pode aumentar nosso salário, providenciar um presente inesperado ou aumentar nossos recursos limitados, de uma forma que nunca imaginaríamos.

Independente da forma escolhida para prover nossas necessidades, Ele é absolutamente confiável.

Criar e utilizar um orçamento por escrito

Como já falei anteriormente, um orçamento só é útil se for usado. Não adianta confeccionar um orçamento e deixá-lo guardado numa gaveta.

Um orçamento escrito nos ajuda a planejar o futuro e analisar como gastamos o nosso dinheiro, analisando e cortando todos os gastos supérfluos. Um orçamento bem feito e bem utilizado é o freio ideal para o impulso de gastar.


Relacionar todos os bens

Devemos fazer um inventário completo de tudo o que temos: Casa, carro, mobília, aparelhos eletrônicos, etc. Para podermos avaliar se devemos vender algum bem. Na maioria das vezes é melhor vender alguma coisa para não perder tudo.

Relacionar todas as dívidas

As pessoas que devem muito dinheiro geralmente não sabem ao certo o quanto devem. Relacionar as dívidas é importante para se ter uma ideia exata da nossa real situação financeira, devemos anotar também os juros que estão sendo cobrados por cada dívida. Ao analisar os juros da lista, descobriremos que os custos das dívidas variam muito.

Relacionar e analisar as dívidas vai nos ajudar a estabelecer uma prioridade na redução delas.

Elaborar um plano de pagamento para cada credor

Ninguém jamais conseguirá livrar-se das dívidas por acidente, todos precisam de um plano por escrito para alcançar o objetivo de livrar-se das dívidas. A decisão de qual dívida liquidar primeiro deve basear-se em dois fatores: O tamanho da dívida e a taxa de juros cobrada.

- Liquidação de dívidas pequenas: Temos que nos concentrar em pagar as menores primeiro. Isso nos encorajará à medida que elas forem eliminadas e fará com que mais dinheiro seja liberado para o pagamento das outras.
- Liquidação das dívidas de juros mais altos: É muito importante prestar atenção na taxa de juros cobrada em cada dívida e tentar liquidar aquelas que cobram os maiores juros, antes de liquidar as que cobram juros mais baixos.

Aumentar o orçamento

Muitas pessoas recebem salários que simplesmente não são suficientes para cobrir suas necessidades, mesmo que gastem com sabedoria. Há duas questões importantes com respeito a ter um aumento no orçamento.

Em primeiro lugar, decidir antecipadamente a terminar as dívidas com os ganhos adicionais. Nossa tendência é gastar mais do que ganhamos, tanto se ganhamos muito, quanto se ganhamos pouco.

Em segundo lugar, ganhar uma quantia adicional sem prejudicar nosso relacionamento com o Senhor ou com a família. Sendo casados, precisaremos ser criativos para encontrar formas de envolver a família toda num projeto que ajude no aumento do orçamento doméstico, ressaltando que este projeto deve unir a família e não separá-la.

Existem várias formas criativas para um ganho extra e para se livrar das dívidas com maior rapidez.

No entanto, não importa o quanto de dinheiro adicional ganhamos, o sucesso do plano está no compromisso de aplicar todos esses extras na redução da dívida e não aumentar os gastos.

Não fazer dívida nova

Isso inclui: cartão de crédito, financiamento de carro novo, compra de móveis e eletrodomésticos, etc. Se não podemos comprar a dinheiro agora, não podemos comprar!

Se você estiver de bolsos vazios e tomar dinheiro emprestado para pagar as suas festas, você vai acabar na miséria. (Eclesiástico 18:33).


Sentir-se satisfeito com o que temos

Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. (Filipenses 4:11).

Não podemos viver governados pelo poder ditatorial da indústria da propaganda, que tenta nos vender o estilo de vida mais gratificante, consideremos isto:

Quanto mais televisão assistimos, mais gastamos.
Quanto mais olhamos revistas e catálogos, mais gastamos.
Quanto mais formos às lojas, mais gastamos.

Os pecadores sempre desejam o que lhes falta, enquanto que as almas plenas de Deus somente querem o que têm.

Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes. (1 Tm 6:8).

Mudar radicalmente o estilo de vida

Um grande número de pessoas diminuiu suas despesas de modo significativo para se livrar das dívidas com maior rapidez. Algumas venderam suas casas e se mudaram para outras menores, alugaram apartamentos ou foram morar com outros membros da família. Muitas venderam carros financiados com prestações mensais altas e compraram carros usados mais baratos para se livrarem das dívidas.

Status Social

Alguém já disse um dia: “A única igualdade que queremos é com nosso superior”. Muitas pessoas sofrem nas finanças porque tentaram, sem sucesso, igualar-se aos outros.

Em oração, submetamos ao Senhor nossas decisões quanto aos gastos, tudo o que possuímos pertence ao Senhor e devemos gastar de forma a agradá-lo e não para impressionar aos outros.

Buscar a direção do Senhor para os gastos não significa que jamais gastaremos com alguma coisa que não seja nossa necessidade básica, o entretenimento, as atividades de lazer apropriadas e o descanso são importantes.

Pois tudo que Deus criou é bom, e, recebido com ações de graças, nada é recusável. (1Timóteo 4:4).

Não desistir!

Se as dívidas não estiverem diminuindo não podemos desistir, precisamos rever nosso comprometimento. Mudar os hábitos de anos que nos levaram a ter dívidas é muito difícil, mas não impossível, temos de persistir em nosso compromisso de acabar com as dívidas.

Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. (Romanos 8:37).

Paciência


As dívidas não desaparecem de uma hora para outra, é preciso paciência e acompanhamento rigoroso do progresso.

Fonte: http://blogdavidaeterna.blogspot.com.br/search/label/FINAN%C3%87AS

Nenhum comentário:

Postar um comentário