SEGUIDORES

OBRIGADA POR SEGUIREM ESTE BLOG

quarta-feira, 25 de maio de 2011

TEMA: REFLEXÕES SOBRE A CONDUTA ESPIRITUAL, DISCIPLINAR E PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL




Introdução: Persiste em ler, exortar e ensinar, até que eu vá. Medita estas coisas; ocupa-te nelas para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos. (I Timóteo 4. 13, 15).  

Na Palavra de Deus encontramos duas passagens que caracterizam com clareza o perfil de conduta do professor da Escola Dominical: (Ed 7.10 e II Tm 2.15). No texto do AT, o exemplo a ser seguido é Esdras. A Bíblia diz que ele tinha preparado o seu coração para buscar a Lei do Senhor (conduta espiritual), e para cumpri-la, (conduta disciplinar) e também para ensinar (conduta pedagógica). No texto do NT, o exemplo é Timóteo (o que Paulo esperava dele). Paulo o recomendava a procurar apresentar-te a Deus aprovado (conduta espiritual), como obreiro que não tem de que se envergonhar, (conduta disciplinar) que maneja bem a Palavra da verdade (conduta pedagógica). É com base nesses dois exemplos que iremos refletir sobre os principais aspectos que envolvem a nossa conduta como Professores da Escola Dominical, sob os pontos de vista Espiritual, Disciplinar e Pedagógica.

Ser chamado por Deus para ensinar a Sua Palavra está entre os mais altos chamados que uma pessoa pode ter. O Ensinador da Palavra de Deus tem a santa responsabilidade de conhecer e entender as Escrituras, conforme Deus lhe conceder. Ele deve ensinar a Palavra de Deus a seus alunos de tal modo que eles possam entendê-la e também ensiná-la a outros (II Tm 2.2).

Ensinar é um DOM de Deus e é também uma ARTE. Essas duas facetas do ensino bíblico são importantes e necessárias para que o professor cristão seja eficaz e obtenha resultados espirituais. Um mestre da Palavra de Deus deve aprender as regras básicas ou princípios de ensino para que possa comunicar o que deseja. Mesmo assim, um professor pode saber todas as leis do ensino e não ter a benção de Deus no seu ministério.  A chave da eficiência espiritual no ensino é ter a unção do Espírito Santo e saber usar as leis do ensino.



I.A CONDUTA ESPIRITUAL DO PROFESSOR DA ESCOLA DOMINICAL

1) Fundamento do Crescimento Espiritual – É indiscutível que nós, Professores da Escola Dominical, sejamos cristãos cheios do Espírito Santo e que andemos permanentemente da presença de Deus. Não se pode admitir que um professor, que ensina a Palavra de Deus, não esteja em perfeita sintonia com o seu autor. Isso implica em tomarmos a decisão de buscar ao Senhor e à Sua Palavra, a fim de que a nossa vida espiritual esteja fundamentada em quatro pilares:
    a)         A presença constante do Espírito Santo em nossa vida – Efésios 5. 18b;
 b)         A Oração – Efésios 6.18, 19;
 c)           O Jejum – Atos 13. 2; II Coríntios 11. 27;
 d)         O Estudo Sistemático da Bíblia – Cl 3.16.

2) Avaliando Nossas Necessidades e Atitudes – Como professores, precisamos estar conscientes da necessidade de nos abastecermos da graça de Deus durante o preparo das nossas aulas, assim como durante o nosso ensino e, principalmente, após cada aula ministrada. Não devemos nos preocupar só com o alimento que devemos dar aos nossos alunos, mas primeiramente com o nosso próprio alimento. Precisamos olhar para o nosso interior e fazer-nos algumas perguntas:
 a)       Quantas horas orei nesta semana pela minha firmeza espiritual?
 b)       Quantas vezes jejuei neste mês por mim, para servir melhor a meus  alunos?
 c)        Quantas horas nesta semana dediquei-me ao estudo da Bíblia
 d)        Quantas horas orei nesta semana pelos meus alunos?

Naturalmente, atitudes como estas são o resultado de uma decisão, como a que Esdras tomou, no sentido de buscar, e como a que Paulo recomendou a Timóteo que tomasse, no sentido de procurar. Significa que isso não é tarefa fácil, porém imprescindível. Requer sacrifício de nossa parte, e a consciência de que, acima de tudo, somos instrumentos de Deus para a transformação de vidas, e para isso precisamos estar com a nossa vida espiritual plenamente regular. Como poderemos contar com operação do Espírito Santo em nosso ensino, para transformar vidas, se não estivermos em plena comunhão com Ele? Como e o que iremos ensinar se estivermos vazios?


Trata-se de um avivamento contínuo. Se estivermos avivados, tudo se tornará mais fácil: teremos mais disposição e graça para ensinarmos e poderemos ver com clareza a vida dos nossos alunos sendo transformada. Hoje devemos tomar a decisão de rever as nossas necessidades espirituais e buscar o suprimento contínuo para elas.

 Um professor desanimado e vazio é um desastre, primeiramente para sua própria vida espiritual, e depois para os seus alunos.




3)      A Importância do Nosso Ministério – Devemos estar cientes da relevância do nosso trabalho na Igreja, mesmo que não sejamos reconhecidos por isso. Independentemente de alguém dar ou deixar de dar a devida importância ao que Deus nos chamou para fazer, devemos seguir em frente. E animados! O Senhor, dono da Obra, sabe quão digno é o nosso trabalho, pois somos instrumentos seus para a transformação de vidas. Portanto, façamos jus a tamanho privilégio, e procuremos nos encher cada vez mais da presença do Espírito Santo e do conhecimento da Palavra de Deus, com uma vida regular de oração, sabendo que em tudo somos dependentes da misericórdia do Senhor. Mesmo desconhecidos, nosso trabalho tem a mesma importância em relação ao que é feito por outros com prestígio entre os homens (Êxodo 17. 12-13).



II.A CONDUTA DISCIPLINAR DO PROFESSOR DA ESCOLA    DOMINICAL

1)      Espelho Vivo – Como Professores da Escola Dominical, somos espelho para os nossos alunos, queiramos ou não. Paulo escreveu aos Filipenses, 4. 9, afirmando: “O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso fazei;...” (grifo nosso). Os alunos querem sempre imitar seu professor. Paulo, aliás, pediu que o imitassem, sendo ele mesmo um imitador de Cristo (I Coríntios 11. 1). Desta forma, precisamos nos conscientizar de que todas as nossas atitudes são vistas por nossos alunos com muita seriedade.

Todo aluno deseja ser como o seu professor. Deseja imitá-lo. Faz dele um modelo de conduta. Devemos nos dar conta disso, procurando desenvolver um padrão de comportamento que seja de fato exemplar, afinal, precisaremos usar essa ferramenta em nossa atuação como instrumento de Deus para a transformação de vidas.

 2)     Vivendo o Que Ensinamos – Na Escola Dominical, ensinamos muito pelo que dizemos, mas ensinamos mais pelo que somos. Nossas boas palavras como professores têm como base e força maior o bom exemplo que vivemos. Quando o aluno vê o Evangelho vivido em nós, isso lhe traz grandes benefícios. É uma confirmação do que ele está aprendendo.

Como professores, devemos refletir a vontade divina sendo executada em nossa vida, e não a nossa própria vontade. Para tanto, convém perguntar-nos a nós mesmos:

      Que Tipo de Pessoa Sou Eu?”
Depois de responder a essa pergunta, eis uma segunda:
     Como Posso Melhorar a Minha Vida?”.

3)        Exemplo Vivo – Em 1 Timóteo 4. 12 a Bíblia recomenda: “Sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, na caridade, no espírito, na fé, na pureza.”; Da mesma forma, em Tito 2.7: “Em tudo de dá, por exemplo.”

Significa que devemos ser exemplo para os nossos alunos não somente no contexto espiritual, mas também em outros aspectos da vida material.

Como professores, querendo ou não, influenciamos. E não podemos fugir disso. E essa influência contagia com naturalidade toda a classe. Se não somos disciplinados, a influência que transmitiremos à nossa classe será negativa, e as conseqüências disso serão, seguramente, desastrosas.

4)    Destaques – São muitos os aspectos que devemos observar em relação à nossa conduta, como professores, principalmente perante os nossos alunos, dentre os quais podemos destacar:

   a)          Pontualidade – Se vacilarmos no horário de início e fim da nossa aula, estará dando péssimo exemplo aos nossos alunos e comprometendo a ordem na Escola Dominical.

    b)            Assiduidade – Se vacilarmos no tocante à regularidade da nossa frequência à Escola Dominical, que moral terá para chamar a atenção dos nossos alunos que não estão frequentando a EBD com regularidade?

QUEM NÃO PODE SER FIEL NA ASSIDUIDADE E NA PONTUAL IDADE É MELHOR DAR O LUGAR PARA OUTRO QUE POSSA SÊ-LO, PARA NÃO PREJUDICAR A OBRA DE DEUS.

 c)    Colaboração – Colaborar significa laborar em conjunto, buscando o mesmo objetivo. Também pressupõe integração. O professor disciplinado é um colaborador, em todos os aspectos, junto ao seu Superintendente e demais Colegas. Ele está sempre à disposição para ajudar, para ser útil em alguma coisa que porventura possa estar ao seu alcance fazê-lo.

 d)           Lealdade – O professor da EBD deve ser um membro fiel e leal à igreja que o elegeu para o ensino bíblico em uma classe da Escola Dominical. Sem essa lealdade, a igreja e a classe saem prejudicadas. Essa lealdade abrange alguns aspectos que podem ser identificados:

 a)         No apoio ao Pastor;
 b)         Na assistência aos cultos;
 c)           Na participação no sustento financeiro.

5)           Qualidades – Em relação à nossa conduta disciplinar, devemos identificar quatro qualidades:

 a)         Relações inter pessoais – Como está o nosso trato com os alunos? E com os outros professores? E com a direção da igreja? E com a direção da Escola Dominical?

  b)         Senso de Chamada – Estamos conscientes de que Deus tem para nós um trabalho especial? Sabemos que esse trabalho é a nossa classe de Escola Dominical? Estamos ciente da importância de aplicarmos os nossos conhecimentos e experiências, visando à transformação de vida dos nossos alunos? (Efésios 4.11)

 c)           Disposição de Aprender – Como as demais pessoas, somos imperfeitos. Estamos reconhecendo nossas limitações? Os melhores professores são aqueles que têm a disposição de aprender. Até Jesus “crescia em sabedoria” (Lucas 2. 52). O professor deve procurar sempre oportunidades para aprender mais.

 d)         Disposição de MelhorarTodo Professor pode ser um Professor Melhor!  É triste quando um professor está satisfeito em ficar onde está, e em ensinar sempre como ensina agora, sem querer progredir.




III. A CONDUTA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DA ESCOLA DOMINICAL

1) Idoneidade – Em II Timóteo 2. 2 a Bíblia apresenta, além da fidelidade, outra qualidade imprescindíveis ao professor da Escola Dominical: a Idoneidade Para o Ensino. Isso significa estar capacitado, estar apto, estar preparado, ser competente. O nosso preparo só será alcançado e aperfeiçoado se levarmos a sério a recomendação bíblica atribuída com exclusividade a quem ensina: dedicação plena (Romanos 12. 7).

2) Dedicação no Preparo Adequado das Lições e Na Organização das Aulas. Não se pode esperar praticamente nada de um professor que não se dedica ao preparo das lições que ministrará no domingo. É imprescindível que gaste e se deixe gastar, com boa vontade, para o bem da vida espiritual dos alunos (II Coríntios 12. 15). Eis algumas reflexões neste sentido:

   a)         Quantas vezes por semana estudamos o texto da lição?
   b)         Quantas horas temos gasto por semana, procurando reunir o melhor que   pudermos, para apresentarmos à nossa classe na aula de domingo?
   c)           Temos feito uso adequado de todo o material de pesquisa que for necessário ao preparo da nossa lição?
   d)         Temos estabelecido adequadamente os objetivos da lição, considerando as necessidades da classe, e as características pessoais dos nossos alunos?
   e)          Temos reunido e feito uso dos recursos instrucionais adequados ao desenvolvimento da nossa aula?
   f)            Que método ou métodos de ensino iremos adotar, para ministrarmos com sucesso a nossa aula de domingo?

3)      Dedicação Para Conhecer Nossos Alunos e Sermos Conhecido Por Eles. Só assim poderemos influenciar suas vidas, levando-as ao amadurecimento espiritual, o que podemos chamar de vidas transformadas. À medida que procuramos influenciá-los para uma vida de maior crescimento espiritual, passamos quase que a apascentar nossos alunos, que se tornam, por assim dizer, ovelhas nossas. Isso significa que devemos acompanhar todos os passos dos nossos alunos, dentro e fora da sala de aula, não como quem vigia, supervisiona ou procura surpreender, mas como quem se preocupa, desejando ajudar o aluno em todas as suas necessidades, sejam elas materiais ou espirituais, para que nossa ovelha não venha a desgarrar-se ou a enfraquecer-se.

4)    Dedicação Com Uma Visão Voltada Para o Crescimento da Escola Dominical. Fazemos parte de uma organização, a EBD, e devemos estar inteirados dos objetivos gerais da mesma, para podermos dar a nossa contribuição na busca do alcance desses objetivos. Algumas reflexões neste sentido podem ser destacadas:

 a)         Temos nos preocupado com o crescimento da nossa classe, fazendo campanhas e usando outros recursos para motivar o progresso da mesma, sabendo que isso refletirá no crescimento da EBD?
b)         Temos procurado nos enquadrar nos objetivos gerais da EBD de nossa igreja, sendo fiéis colaboradores do Superintendente e do pastor?
 c)           Temos feito discípulos (novos professores) em nossa própria classe, para colocarmos à disposição do Superintendente e do Pastor novos talentos, até então no anonimato?
5) Empecilhos. Ainda neste contexto, podemos destacar três empecilhos ao nosso sucesso como professores, os quais devem ser evitados a todo custo:
a)         Falta de Experiência – Não é recomendável ao professor conduzir uma aula sem que tenha adquirido vivência suficiente para isso. Ele precisa estar seguro do que irá ensinar, de maneira a esclarecer as dúvidas de seus alunos.

b)         Falta de Tempo – A diferença entre as pessoas está na maneira como usam o tempo e como definem suas prioridades. O que é mais importante para uma pessoa recebe maior parcela de seu tempo. Quanto tempo temos dedicado à nossa classe de Escola Dominical?

c)           Falta de Preparo – Isso pode estar ligado à questão de tempo, e até à falta de recursos, mas pode ser por outra causa: A falta de visão do que queremos para os nossos alunos. Quando nos falta visão de crescimento para os nossos alunos, não nos incomoda o fato de darmos uma aula de qualquer maneira. Agindo assim, estaremos fazendo agravo ao que a Bíblia nos adverte quanto ao ensino em (Romanos 12. 7).

IV. QUANTO TEMPO VOCÊ GASTA DIARIAMENTE NO PREPARO DA LIÇÃO?




1)         Etapas no Preparo da Lição
·              Preparo do Esboço da Lição (para adultos), ou Plano de Aula (para crianças).
·             Escolha dos Métodos de Ensino, e, dos Recursos Educacionais a serem utilizados durante a aula bíblica.
·              Preparo de trabalhos em classe e extra classe, como: Questionários, Testes, Tarefas (orais ou escritas),     Anúncios a serem feitos à classe, etc

2)           O Ensino da Lição Diante da Classe
Siga as etapas da lição ao ser esta apresentada diante da classe.

1)             Introdução da Lição              3 minutos
2)           Explanação da Lição           30 minutos
3)           Verificação da Lição             5 minutos
4)          Aplicação da Lição                7 minutos
5)           Encerramento da Lição         5 minutos.





CONCLUSÃO: Que Deus nos dê graça para decidirmos buscar uma acentuada melhoria em nossos trabalhos na Escola Bíblica Dominical, mediante tudo o que acabamos de refletir, sabendo que, para isso, precisamos rever nossas prioridades e entender quão importante é este nosso ministério. 

                                                                  Elaborado por MARIA VALDA
                                                                                           Ministrante
            
  

    Material Pesquisado:

*    Elementos de Pedagogia – Princípios de Meios Auxiliares de Ensino – Bruce e Karen Braithwaite.
*         Manual EPED – Encontro de Professores da Escola Dominical – Antônio Gilberto.
*         V Encontro de Superintendentes e Professores da Escola Bíblica Dominical – Cordovil – RJ. – Antônio Gilberto. (Superintendência de Francisco Alves)
*        I Seminário de Professores de Escola Dominical – Francisco Alves de Oliveira e Daniel Fidelis de Barcellos. - Ano 1995.





Ministério Estudando a Palavra
Para Convites de Estudo e Pregação
Tel. 3361-2047/3361-4739
Cel. 9197-5515




Temos Outros Trabalhos:

ü  Mulher! Conheça Seu Temperamento – Maria Valda
ü  Os Ministérios da Mulher Cristã – Maria Valda e Beth Inácio
ü  A Esposa do Obreiro e a Liderança Eficaz – Maria Valda
ü  Honrando a Deus Como Esposa de Obreiro – Maria Valda
ü  A Imagem de Um Ministro - Copilado
ü  Simplesmente Mulher – Maria Valda
ü  Liderança Feminina – Maria Valda
ü  Ira – É Nocivo? – Maria Valda.
ü  Mulher no Ministério! Tá Brincando?
ü  Os Cinco Tipos de Perdão da Bíblia – Maria Valda
ü  Etc.
    

 Rio de Janeiro, 29/04/2011.




Nenhum comentário:

Postar um comentário