SEGUIDORES

OBRIGADA POR SEGUIREM ESTE BLOG

sexta-feira, 20 de maio de 2011

ESTUDO SOBRE O LIVRO DE RUTE - JOHN PIPER (Parte 5 - Final)


As Lições do Livro de Rute

Aqui está o que eu gostaria de sugerir como a principal lição do livro: A vida do santo é não uma linha reta para a glória, mas eles chegam lá. A vida dos santos há deslizamento de pedras, precipícios, névoas escuras, ursos e curvas escorregadias e fechadas que fazem você regredir a fim de ir em frente. Mas em toda esta perigosa estrada, que não deixa você ver muito longe, há freqüentes sinais que dizem: "O melhor ainda está para vir." E no canto inferior direito escrito com uma letra inconfundível estão as palavras, "Como eu vivo, diz o Senhor! "

O livro de Rute é um dos sinais para você ler. Ele foi escrito e tem sido pregado para lhe dar algum incentivo e a esperança de que todas as curvas desconcertantes em sua vida ultimamente não são becos sem saída. Em todos os reveses de sua vida como um crente Deus está tramando para a sua alegria.



Contratempos, Esperança e Estratégias de Justiça

A história de Rute é uma série de contratempos. No capítulo 1 Noemi e seu marido e dois filhos foram obrigados a deixar sua terra natal em Judá, por conta da fome. Então o marido de Noemi morre. Seus filhos se casarão com moabita e por dez anos as mulheres se revelaram estéreis. E então seus filhos morrem deixando duas viúvas na casa de Noemi. Apesar de Rute se unir à Noemi, o capítulo 1 termina com a queixa amarga de Noemi: "Eu fui embora cheia e o Senhor me trouxe de volta vazia. . . O Todo-Poderoso tem tratado muito amargamente comigo."

No capítulo 2 Noemi é cheia com uma nova esperança, porque Boaz aparece na cena como um possível marido para Rute. Mas ele não propõe a Rute. Ele não faz qualquer movimento. Pelo menos é o que parece à primeira vista. Assim, o capítulo termina cheio de esperança, mas também com grande suspense e incerteza sobre como tudo isso vai funcionar.

No capítulo 3 Noemi e Rute fazem um movimento arriscado no meio da noite. Rute vai a Boaz na eira e diz: "Eu quero que você estenda as suas asas sobre mim como o meu marido." Mas, quando a tragédia da viuvez Rute parece ter se resolvido, em uma linda história de amor, aparece um problema inesperado. Há um outro homem que, segundo o costume hebraico, tem o direito de casar com Rute. O impecavelmente honesto Boaz não vai continuar sem dar a este homem a oportunidade legal. Assim, o capítulo 3 termina novamente no suspense de outro revés.
Capítulo 4 E BOAZ subiu à porta, e assentou-se ali; e eis que o remidor de que Boaz tinha falado ia passando, e disse-lhe: Ó fulano, vem cá, assenta-te aqui. E desviou-se para ali, e assentou-se. 2  Então tomou dez homens dos anciãos da cidade, e disse: Assentai-vos aqui. E assentaram-se. 3  Então disse ao remidor: Aquela parte da terra que foi de Elimeleque, nosso irmão, Noemi, que tornou da terra dos moabitas, está vendendo. 4  E eu resolvi informar-te disso e dizer-te: Compra-a diante dos habitantes, e diante dos anciãos do meu povo; se a hás de redimir, redime-a, e se não houver de redimir, declara-mo, para que o saiba, pois outro não há senão tu que a redima, e eu depois de ti. Então disse ele: Eu a redimirei. 5  Disse porém Boaz: No dia em que comprares a terra da mão de Noemi, também a comprarás da mão de Rute, a moabita, mulher do falecido, para suscitar o nome do falecido sobre a sua herança. 6  Então disse o remidor: Para mim não a poderei redimir, para que não prejudique a minha herança; toma para ti o meu direito de remissão, porque eu não a poderei redimir. 7  Havia, pois, já de muito tempo este costume em Israel, quanto a remissão e permuta, para confirmar todo o negócio; o homem descalçava o sapato e o dava ao seu próximo; e isto era por testemunho em Israel. 8  Disse, pois, o remidor a Boaz: Toma-a para ti. E descalçou o sapato. 9  Então Boaz disse aos anciãos e a todo o povo: Sois hoje testemunhas de que tomei tudo quanto foi de Elimeleque, e de Quiliom, e de Malom, da mão de Noemi, 10  E de que também tomo por mulher a Rute, a moabita, que foi mulher de Malom, para suscitar o nome do falecido sobre a sua herança, para que o nome do falecido não seja desarraigado dentre seus irmãos e da porta do seu lugar; disto sois hoje testemunhas. 11  E todo o povo que estava na porta, e os anciãos, disseram: Somos testemunhas; o SENHOR faça a esta mulher, que entra na tua casa, como a Raquel e como a Lia, que ambas edificaram a casa de Israel; e porta-te valorosamente em Efrata, e faze-te nome afamado em Belém. 12  E seja a tua casa como a casa de Perez (que Tamar deu à luz a Judá), pela descendência que o SENHOR te der desta moça. 13  Assim tomou Boaz a Rute, e ela lhe foi por mulher; e ele a possuiu, e o SENHOR lhe fez conceber, e deu à luz um filho. 14  Então as mulheres disseram a Noemi: Bendito seja o SENHOR, que não deixou hoje de te dar remidor, e seja o seu nome afamado em Israel. 15  Ele te será por restaurador da alma, e nutrirá a tua velhice, pois tua nora, que te ama, o deu à luz, e ela te é melhor do que sete filhos. 16  E Noemi tomou o filho, e o pôs no seu colo, e foi sua ama. 17  E as vizinhas lhe deram um nome, dizendo: A Noemi nasceu um filho. E deram-lhe o nome de Obede. Este é o pai de Jessé, pai de Davi. 18  Estas são, pois, as gerações de Perez: Perez gerou a Esrom,  19  E Esrom gerou a Rão, e Rão gerou a Aminadabe, 20  E Aminadabe gerou a Naassom, e Naassom gerou a Salmom, 21  E Salmom gerou a Boaz, e Boaz gerou a Obede, 22  E Obede gerou a Jessé, e Jessé gerou a Davi.


Mais contratempos no caminho para a glória

Após o encontro da meia-noite no capítulo 3, Boaz vai até o portão da cidade onde o negócio oficial foi feito. O parente mais próximo se aproxima, e Boaz define a situação diante dele. Noemi está dando a pequena propriedade que ela tem, e dever do parente mais próximo é o de comprá-la, para que a herança permaneça na família. Para nosso espanto o parente diz: "Eu vou resgatá-lo." Nós não queremos que ele resgate a propriedade, nós queremos que Boaz faça-o. Então, novamente parece haver um retrocesso. E a ironia desse revés é que ele está sendo causado pela justiça. A parente está apenas fazendo o seu dever. Às vezes a estrada está entupido, não com pedras ou ursos, mas com bons operários que estão apenas fazendo seu dever. Nossas frustrações não são apenas causadas pelo pecado, mas também (aparentemente) pela justiça inoportuna.

Só quando estamos prestes a dizer: "Ó não! Parar a história! Não deixe que este outro rapaz leve Rute!" Boaz diz ao parente mais próximo: "Você sabe, não é, que Noemi tem uma nora. Então, quando você se faz como resgatador você também deve tomá-la como sua esposa e dar filhos ao nome de seu marido, Malom?" Então, para nosso grande alívio, o parente diz no versículo 6, que ele não pode fazê-lo. Talvez ele já seja casado. Seja qual for a razão, nós estamos torcendo para que Boaz chegue mesmo em meio a dificuldades e  problemas a festa de casamento com a linda Rute em seu braço.

Mas há uma nuvem no céu. Rute é estéril. Ou pelo menos ela parece ser. No capítulo 1 versículo 04 nos vemos que ela tinha sido casada por dez anos Malom e não tinha filhos. Assim, mesmo agora o suspense ainda não acabou. Você entende agora porque eu disse que a lição do livro de Rute é que a vida do santo não é uma linha reta para a glória? A vida é uma curva atrás da outra. E nós nunca sabemos o que virá. Mas o ponto principal da história é que o melhor ainda está por vir. Não importa onde você está, se você ama a Deus, o melhor ainda está por vir.

Por que é o foco em Noemi?

A nuvem sobre a cabeça de Rute e Boaz está cheia de misericórdia, e derrama bênção sobre as suas cabeças no versículo 13. "Assim tomou Boaz a Rute, e ela lhe foi por mulher; e ele a possuiu, e o SENHOR lhe fez conceber, e deu à luz um filho." Mas note como o foco nos versículos 14-17 não está em Rute nem em Boaz. O foco está em Noemi na criança. Por quê?

Como o ponto do livro é que a vida do santo não é uma linha reta para a glória, mas eles chegam lá. A história começou com a perda de Noemi. E ele termina com ganho de Noemi. É
começou com a morte e termina com o nascimento. Um filho... para quem? O versículo 17 é o
grande destino da longa e tortuosa estrada da vida de Noemi. " E as vizinhas lhe deram um nome, dizendo: A Noemi nasceu um filho". Não para a Rute, mas sim para Noemi! Por quê? Para mostrar que não era verdade, o que Noemi havia dito em 1:21, que o Senhor a tinha trazido de volta vazia de Moabe. E se pudéssemos aprender a esperar e confiar em Deus, todas as nossas queixas contra Deus iram se revelar falsas.

Sinalização de obra da graça de Deus em retrocessos amargos

Rute foi escrito para nos ajudar a ver os sinais da graça de Deus em nossa vidas, e para nos ajudar a confiar em sua graça, mesmo quando as nuvens são tão grossas que não podemos ver a estrada e muito menos os sinais ao lado. Vamos voltar e lembrar que foi Deus que agiu no sentido de transformar cada revés em um trampolim para a alegria, e que é Deus em todas as nossas amargas providências que está planejando para o nosso bem.

O presente que foi Rute

Primeiro, quando toda a vida de Noemi parecia desabar em Moabe, foi Deus quem deu Rute a Noemi. Nós sabemos isso a partir de dois versos: em 1:16 nós sabemos que na raiz do compromisso de Rute a Noemi está o compromisso de Rute com o Deus de Noemi: "Seu Deus será meu Deus." Deus tinha ganhado a fidelidade de Rute em Moabe, e é a Deus que Noemi devia o incrível amor de sua nora. Também em 2:12 ele diz que quando Rute veio a Judá com Noemi, ela viria a refugiar-se sob as asas de Deus. Por isso, é devido a Deus que Rute deixou sua casa e família para seguir e servir Noemi. O tempo todo Deus estava transformando o revés de Noemi em alegria.

A Preservaçãode Boaz

Em segundo lugar, Noemi dá a impressão no capítulo 1, que não há esperança que Rute pudesse se casar e criar filhos para continuar a linhagem da família (1:12). Mas o tempo todo Deus está preservando um homem rico e piedoso chamado Boaz, para fazer exatamente isso. O motivo, sabemos que isso foi obra de Deus é que Noemi admite em 2:20. Ela reconhece que por trás do encontro "acidental" de Rute e Boaz estava a bondade "de Deus, que não abandonou nem vivos nem mortos." Em todos os prejuízos que o santo tem que suportar Deus já está planejando para o seu ganho.

A abertura do ventre de Rute

Em terceiro lugar, quem foi que deu para o ventre estéril de Rute uma? Deus deu o filho. Olhe 4:11. Os habitantes da cidade oraram para Boaz e Rute. Eles sabem que Rute estava casada há dez anos sem uma criança. Então, eles oram que Deus fizesse com Rute como havia feito com Raquel e Lia. E assim o autor faz deixa claro no versículo 13 que causou essa criança a ser concebida. "e ele [Boaz] a possuiu, e o SENHOR lhe fez conceber".

Então, repetidas vezes neste livro foi Deus quem estava trabalhando nos amargos contratempos de Noemi. Quando ela perdeu o marido e os filhos, Deus lhe deu Rute. Quando ela não conseguia pensar em nenhum parente para levantar a prole e o nome da família, Deus deu-lhe Boaz. Quando a estéril Rute casou-se com Boaz, Deus lhe deu um filho. A moral da história é revelada na vida de Noemi. A vida do santo não é uma linha reta para a glória, mas Deus faz com que eles cheguem lá.

Será "glória" uma palavra muito forte?

Talvez você ache que a palavra glória é um pouco de exagero. Afinal de contas ele é apenas uma criança. Uma avó segurando uma criança depois de uma vida longa e dura de muita dor de cabeça. Ah, mas esse não é o fim da história.

Em 1912, John Henry Jowett, então pastor da Igreja Presbiteriana em Nova York, deu em Yale uma palestra sobre Pregação. Há uma passagem em uma de suas palestras, que descreve o que o autor do livro de Rute estava fazendo quando ele terminou a sua história.

Jowett descreveu um grande pregador como aquele que parece,

olhar para o horizonte e não em um campo fechado, ou uma paisagem local. Ele [tem] uma maneira maravilhosa de conectar todos os sujeitos com eternidade passada e com a eternidade por vir. (O Pregador: Sua Vida e de Trabalho, p. 95)


Se essa história de Rute terminasse apenas em uma pequena aldeia da Judéia com uma avó abraçando um neto novo, glória seria uma palavra muito forte. No versículo 17 ele diz de forma muito simples que esta criança Obede foi pai de Jessé e Jessé foi o pai de Davi. De repente, percebemos que ao longo de toda a história algo muito maior do que poderíamos imaginar estava acontecendo. Deus não estava traçando uma bênção temporal para alguns judeus em Belém. Ele estava preparando a vinda do maior rei que Israel teria, Davi. E o nome de Davi traz consigo a esperança do Messias, a nova era de retidão, paz, liberdade da dor e do choro e tristeza e culpa. Esta pequena história se desdobra em um grande rio de esperança.

A Doença de trivialidade

Uma das grandes doenças do nosso tempo é trivialidade. As coisas com as quais a maioria das pessoas passam a maior parte do seu tempo são absolutamente triviais. E o que faz isto ser uma doença é que nós que fomos criados à imagem de Deus, fomos feitos para viver coisas magníficas. Nenhum de nós será realmente satisfeito com coisas banais do mundo. Nossas almas não ficam satisfeitas com ninharias. Porque é que existe uma seção inteira do jornal dedicado ao esporte, e quase nada dedicado a maior história no universo - o crescimento e expansão da Igreja de Jesus Cristo? É loucura, pura loucura, que os jogos insignificantes ocupem um papel tão central na nossa cultura. É simplesmente um dos muitos sinais de que estamos escravizados em trivialidades. Vivemos em uma luta perpétua e desesperada para satisfazer os nossos anseios em ninharias. Assim, nossas almas secam. Nossas vidas são triviais. E a nossa capacidade de grande adoração morre.

A obra gloriosa de Deus na História

O livro de Rute quer ensinar-nos que o propósito de Deus para a vida de seu povo é conectar-nos a algo muito maior do que nós. Deus quer que nós saibamos que quando nos o seguimos, as nossas vidas sempre vão significar mais do que pensamos que eles signifiquem. Para o cristão, há sempre uma ligação entre os eventos comuns da vida e do estupendo trabalho de Deus na história. Tudo o que fazemos em obediência a Deus, não importa quão pequeno seja tem significado. Faz parte de um mosaico cósmico que Deus está pintando para mostrar a grandeza do seu poder e sabedoria para o mundo e para os principados e potestades nos lugares celestiais (Efésios 3:10). A profunda satisfação da vida cristã é que ela não seja entregue a ninharias. Servindo a sogra viúva, sendo catadora em um campo, se apaixonando, tendo um bebê - para o cristão, essas coisas estão todas ligadas a eternidade. Eles são parte de algo muito maior do que parecem.

Assim, a palavra glória não é muito forte. A vida do santo não é uma linha reta para a glória, mas Deus garante que eles cheguem lá. Há uma esperança para nós além do bonito do bebê e da avó feliz. Se não houvesse nós seriamos os homens mais miseráveis. A história aponta para Davi. Davi aponta para Jesus. E Jesus aponta para a ressurreição de nossos corpos mortais (Rm 8:23), quando "não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas." (Apocalipse 21:4).

O melhor ainda está para vir. Essa é a verdade inabalável sobre a vida de uma mulher e um homem que seguem a Cristo na obediência da fé. Digo para os jovens que são fortes e esperançosos, e eu digo que para os antigos, para quem a natureza exterior está rapidamente definhando. 
O melhor ainda está para vir.

3 comentários:

  1. posso copiar essa pregaçao para ministrar a igreja/?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma vez perguntaram para o rev. Hernandes Dias Lopes sobre se poderia pregar o sermão que ele acabara de pregar. A resposta: Eu não prego a minha palavra, mas a Palavra de Deus. Se a Palavra é dEle...
      Esse texto foi extraído do livro de John Piper "Doce e amarga providência" Ed. VoxLitteris.

      Excluir